sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Genesis 6 and the Sons of God

Several views exist regarding the identity of the sons of God in Gen 6. These interpretations also affect how we should understand biblical references to supernatural beings including angels and foreign gods.

Sons of God as Divine Beings
The sons of God may be divine beings (e.g., angels). If so, the sin in question was a transgression of the human realm by these heavenly beings. Their involvement with human women led to a widespread breakdown in morality and an increase in wickedness and corruption. The offspring of these unions, the nephilim (Gen 6:4), were considered quasi-divine and possessed unusual height (“giants”).
This was the dominant view among Jewish and Christian thinkers until after the fourth century AD, when Augustine championed an alternative (see below). It was also the exclusive view until the mid-second century AD. It appears in early Jewish works that comment on the stories of Genesis (1 Enoch 6; Jubilees 5), the Septuagint, Philo (De Gigant 2:358), Josephus (Ant. 1.31), and the Dead Sea Scrolls (1QapGen 2:1; CD 2:17–19); as well as the works of early Christian scholars such as Justin, Irenaeus, Clement of Alexandria, Tertullian, and Origen.
The view is based on the fact that elsewhere in the OT, the phrase “sons of God” (benei [ha]-elohim in Gen 6:2, 4) is used exclusively for divine beings (Job 1:6; 2:1; 38:7). Similar phrases, along with overt references to plural divine beings (elohim, elim), also appear in the OT (Psa 29:1; 82:6; 89:6). Furthermore, all of these phrases and terms appear in Canaanite literature contemporary with the biblical world to speak of divine beings.
Those who object to the “angelic view” predominantly argue that the “sons of God” in Gen 6:2, 4 should be understood as human beings. This argument focuses on references to both the nation of Israel and Israel’s king as “my firstborn son” (Exod 4:22; Jer 31:9; Psa 2:7). Also, the Israelites are called “sons of the living God” in Hos 1:10. Some also object to the angelic view on the grounds that it contradicts Matt 22:29–30 (compare Mark 12:24–25; Luke 20:34–36), where Jesus says that the angels in heaven do not marry. Neither does God punish the angels in Gen 6, which would seem necessary if they acted immorally.

Sons of God as Human Rulers
The sons of God may be human rulers—kings. Thus, “daughters of men” may refer to the harems of these kings. In this case, the sin in question would be polygamy. The offspring would be humans born into the kingly line.
The earliest date for the “human rulers view” is the mid-second century AD. This view developed in rejection of the idea that angels could engage in sexual intercourse.
Evidence for this view comes from the reference to the Davidic king as the son of God in Psa 2:7 (compare 2 Sam 7:14; 1 Chr 17:13). It is further supported by other ancient Near Eastern beliefs that kings were divine or semi-divine. Additionally, the “mythological” sense of the angelic view is absent from this interpretation.
However, the major weakness of this view is its inability to account for the unusual offspring, or nephilim (Gen 6:4; compare Num 13:33). Also, while ancient Near Eastern parallels refer to individual kings as sons of the Gods, there are no instances where the plural phrase (“sons of God”) refers to human royalty. Furthermore, while ancient Near Eastern cultures considered their kings to be divine or quasi-divine, no ancient Near Eastern evidence exists for an aristocratic household at large being considered divine sons.

Sons of God as Godly Descendants of Seth
In the fourth century AD, Augustine argued that the sons of God are the godly male descendants of Seth. Here, the “daughters of men” represent the ungodly females of Cain’s line. The sin is the intermarriage of godly and ungodly humans, and the offspring are humans.
There are several weaknesses to this view. First, nowhere in the OT are Sethites identified as the sons of God. Second, this view forces two divergent meanings on the Hebrew word ʾadam in Gen 6:1–2: the term would have to mean “mankind” in Gen 6:1, but a specific group of humans—the Cainites—in Gen 6:2. Additionally, this view implies that all the women of Cain’s line were ungodly, whereas all the men of Seth’s line were godly. While this might be averted by noting that no law existed prohibiting intermarriage of any kind prior to the great flood, this would in turn undermine the entire premise of the view. Also, since only Noah and his family were considered godly in the days of the flood, we can presume that the vast majority of Seth’s descendants were far from godly; Seth had more than one descendant (Gen 5:7). Lastly, the daughters born in the previous chapter of Genesis were born to Seth’s line, not Cain’s—the precise opposite of what this explanation requires.

New Testament Views
The NT writers seem to accept the angelic view—a position especially supported by two passages. In 2 Pet 2:5, God “did not spare the angels who sinned, but cast them into hell and committed them to chains of gloomy darkness to be kept until the judgment.” The next verse situates the sin and punishment at the time of the flood: “[God] did not spare the ancient world, but preserved Noah, a herald of righteousness, with seven others.…” The writer connects this illustration to “sensuality” (2 Pet 2:2) and “the lust of defiling passion and despis[ing of] authority” (2 Pet 2:10). More specifically, he strikes an analogy with the sexual sins of Sodom and Gomorrah (2 Pet 2:6–7). The passage therefore indicates angelic sin of a sexual nature at the time of the flood.
The letter of Jude (Jude 5–7) takes the same view using some of the same contexts. While Jude does not refer to Noah and the Flood as 2 Peter does (2 Pet 2:5), both passages reference the same episode. Second Peter and Jude demonstrate that the episode of Gen 6 involved “angels,” and a decision made by those divine beings to cross a divinely-ordained boundary (“authority”; “proper dwelling”).

Further Interpretations
The angelic view may be taken in fully literal terms—presuming that embodied angels occupy genuine human flesh with all its abilities. There are many examples in Scripture of angels (and even God) taking physical human form (Gen 18:1–8; 32:22–32; Exod 23:20–23; Judg 6, 13). In Gen 18:1–8 (compare Gen 18:22; 19:1, 13, 15), God and the angels eat a meal—something they need not do as spirit beings. The Bible consistently portrays angels in human form (and even as flesh) when coming to earth.
The angelic view may also be considered a metaphor of cosmic rebellion, and the offspring of these “unions” a metaphor of good versus evil. However, no such cosmic rebellion is described in the Bible. While Rev 12:7–9 is often offered in support of such a description, that passage does not describe a primeval casting out of fallen angels. It correlates the event of Rev 12:7–9 to the birth of Christ (Rev 12:1–4), the resurrection (Rev 12:5), and the plight of Israel (the woman of Rev 12:6) leading to the final conflict before the consummation of God’s kingdom (Rev 12:6, 10–17; see Dan 12:1–3). Since Rev 12:10 clearly links the expulsion of Satan and his angels to the work of Christ, the context is post-flood.


Barry, J. D., Heiser, M. S., Custis, M., Mangum, D., & Whitehead, M. M. (2012). Faithlife Study Bible. Bellingham, WA: Logos Bible Software.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

A criação em relatos no Antigo Oriente próximo

Hoje, quando lemos Gênesis 1—2, nossos pensamentos vão para as aulas de biologia e física que tive durante o ensino médio. Como a descrição bíblica da criação tem a ver com a teoria do big bang e com a evolução?
Não há dúvidas de que Gênesis 1—2 tem um peso na ava­liação que fazemos desses relatos científicos modernos sobre as origens do cosmo e do homem. Mas um momento de reflexão nos fará lembrar que nenhum autor ou leitor antigo teria tido a ideia de fazer tal comparação. E certo que o relato bíblico da criação não foi escrito para se contrapor a Charles Darwin ou Stephen Hawking, mas foi escrito à luz de descrições rivais da criação.
E, graças às descobertas de arqueólogos e especialistas em línguas antigas dos últimos duzentos anos, temos em mãos pelo menos algumas daquelas ideias que têm disputado os corações e as mentes dos antigos israelitas. Em vez de fornecer uma lista exaustiva dos muitos e diferentes mitos dos vizinhos de Israel, citarei pontos de comparação e contraste entre, de um lado, os relatos bíblicos e, de outro, os dos egípcios, mesopotâmios e cananeus.
Começando pela época dos patriarcas e indo até o restante do período do Antigo Testamento, os filhos de Abraão viveram no meio de um mundo pagão. Só Israel adorava Yahweh, ao passo que as demais nações possuíam seus próprios deuses e deu­sas — e também possuíam seus próprios relatos da criação. Uma vez que o povo de Deus era constantemente tentado a adorar as divindades de outras nações, não devemos ficar surpresos com o fato de que os relatos bíblicos sobre a criação tenham sido elabo­rados de uma tal maneira que proporcionasse uma clara distinção em relação aos relatos de outras nações. Assim mesmo, existem semelhanças.
De qualquer modo, a leitura mais interessante e produtiva dos relatos bíblicos da criação se dá à luz dos relatos rivais do antigo Oriente Próximo. Entretanto, antes de proceder à comparação, precisaremos descrever brevemente alguns dos prin­cipais relatos de criação encontrados no antigo Oriente Próximo.

Ao longo de toda sua história e particularmente na época de Moisés, Israel teve contato com os egípcios. A tradição bíblica afirma que os israelitas deixaram o Egito debaixo da lide­rança de Moisés, o qual foi criado e presumivelmente educado na própria casa do faraó. Por esse motivo é razoável supor que ideias egípcias sobre a criação fossem conhecidas desde o momento mais remoto da história de Israel como nação.
Surpreendentemente temos pouquíssimas narrativas míticas contínuas na língua egípcia.1 As ideias egípcias da criação são encontradas basicamente em textos de magia, particularmente em textos escritos em sarcófagos e nas paredes de pirâmides, embora haja a exceção da pedra Shabaka, que preserva o que é conhecido como teologia menfita. Conquanto haja muitas seme­lhanças entre as diferentes descrições da criação encontradas em textos egípcios, também existe uma variedade de metáforas que são empregadas.[1] [2] Atos de criação também são atribuídos a várias divindades. Diferentes centros de culto no Egito (Mênfis, Hermópolis, Heliópolis) possuíam sua própria versão da criação, embora também possamos observar algumas tentativas de síntese.
A cosmologia básica dos egípcios parece constante. As águas primordiais são denominadas Nun, e é das águas que surge a criação. Uma idéia proeminente era que o deus criador, às vezes Atum e outras vezes Amon-Ré, emergiu das águas por meio de um ato de autocriação e por meio de si próprio desenvolveu os outros deuses e deusas que representam as várias partes e forças da natureza.[3] A elevação primeva foi a forma como a criação emergiu de Nun, talvez refletindo miticamente o solo fértil que era a fonte de vida que ficava depois que baixavam as inunda­ções anuais do Nilo.
A religião egípcia nunca foi uma idéia isolada, mas, antes, uma amalgamação e uma associação de conceitos religiosos vaga­mente relacionados e derivados de uma variedade de centros reli­giosos. Por isso, não devemos ficar surpresos com o fato de que em Mênfis, um desses centros de culto, havia um mito rival de criação em torno do deus Ptah. A expressão mais conhecida desse mito provém da assim chamada teologia menfita, também conhe­cida como pedra Shabaka.[4] Este último nome resulta do fato de que o texto está preservado numa pedra que foi inscrita à época do faraó núbio Shabaqo (716-702 a.C.), embora os estudiosos concordem que a composição é de um período muito anterior. Nesse relato, Ptah amalgamou com Ta-tenen, o deus que repre­senta a colina primeva, e, então, gera o deus-sol. Dessa forma, Ptah, a divindade principal de Mênfis, substitui Atum como o criador. O que, porém, nos interessa é o processo diferente de criação empregado por Ptah. Em vez de espirrar ou masturbar, Ptah cria o mundo mediante o uso de palavras de sua boca: “Assim todos os deuses nasceram, Atum e também sua Enéade, pois é mediante aquilo que o coração planeja e a língua ordena que cada fala divina se desenvolve”.[5]
Na literatura egípcia não há praticamente nenhuma referên­cia ou alusão à criação da humanidade. A informação que pos­suímos é que os seres humanos foram criados a partir das lágrimas do deus do sol, uma etiologia que talvez se baseie na similaridade das palavras egípcias chorar, povo e lágrimas.

A literatura mais antiga da região da Mesopotâmia, aliás, a mais antiga literatura de que se tem conheci­mento, procede da antiga Suméria. E, embora os sumérios tenham deixado para a posteridade uma extensa literatura sobre a criação, deixaremos de lado uma apresentação dessas ideias acerca da criação para concentrar a atenção em dois textos da criação existentes na literatura acádica. O acádico era a língua dos babilônios e assírios. Estes últimos foram os herdeiros das ideias sumérias e eram contem­porâneos dos israelitas durante o período do Antigo Testamento.
O texto mais significativo sobre a criação escrito em acádico tem o nome tirado das suas primeiras palavras, “Quando lá no alto”, que em acádico é Enuma elish. Muito embora a criação seja um elemento do mito, o propósito derradeiro da composição foi proclamar a exaltação de Marduque como líder máximo do pan­teão. A maioria dos estudiosos de hoje provavelmente associaria a exaltação de Marduque e a composição desse texto ao reinado de Nabucodonosor I (século XII a.C.).
O texto começa com uma teogonia, ou seja, um registro do nascimento e gerações dos deuses e deusas.[6] As divindades mais antigas foram Tiamate e Apsu, as águas respectivamente do mar e debaixo da terra. A mistura dessas águas produziu as próximas gerações dos deuses e deusas. Logo houve um abismo de gera­ções com o qual foi preciso lidar. O pai Apsu ficou cansado dos seus filhos barulhentos e, contra a vontade da mulher, Tiamate, decidiu matar sua descendência divina. Esta última, contudo, ouviu acerca da trama, e Ea, o deus da sabedoria, recitou palavras mági­cas e matou Apsu antes que ele pudesse agir.
Embora as ações de Ea tenham dado resultado no curto prazo, também serviram para enraivecer Tiamat, uma adversária mais assustadora do que Apsu. Nem Ea podia ter esperanças de subju­gar Tiamate. Todos pareciam impotentes até que Marduque, rebento de Ea e Damkina, se apresentou para assumir o papel de herói. Ele, contudo, não se voluntariou sem impor condições. Exi­giu ser o rei dos deuses e, ao ser assim reconhecido, partiu para enfrentar Tiamate em combate.
Nesse ínterim Tiamate havia nomeado Qingu como líder de suas forças, aparentemente como seu consorte em lugar de Apsu. Foi contra as forças conjuntas do caos que Marduque, por fim, guerreou.
A batalha entre Marduque e Tiamate é descrita de modo gráfico. No ápice do conflito, Marduque soltou um vento que distendeu o corpo da deusa, arremessando para dentro de sua boca uma flecha que rasgou sua barriga e extinguiu sua vida. Com a morte de Tiamat, o exército que a apoiava, e era chefiado por Qingu, fugiu em debandada. Tiamate havia dado as tábuas do destino a Qingu, mostrando a sobe­rania que ele tinha, mas Marduque as tomou guardando-as consigo e, no final, entregou-as a Anu, o deus dos céus.
Marduque, então, voltou a atenção para o corpo de Tiamate, o qual dividiu em duas partes, “como um peixe para secar”.[7] Com uma metade ele fez os céus e com a outra, a terra. Usando os corpos celestes, Marduque também estabeleceu o tempo. Depois disso Marduque decidiu fazer os seres humanos:
Compactarei sangue, farei com que haja ossos,
Farei com que suqa um ser humano. Que seu nome seja “Homem”.
Criarei a humanidade,
Levarão o fardo dos deuses, para que estes repousem.
Marduque, então, executou Qingu, o deus-demônio, por causa de seus crimes, e com o sangue dele fez a humanidade. Depois disso, os deuses honraram Marduque mediante a construção das cidades Babilônia e Esagila, o templo-residência de Marduque. O Enuma elish termina quando os deuses anunciam a glória de Marduque, pronunciando seus cinqüenta nomes.
Um segundo texto, Atrahasis, cujo nome se deve à sua prin­cipal personagem, apresenta um relato alternativo da criação da humanidade.[8] A primeira cena inicia numa época em que só os deuses existiam. Entretanto, o conflito surge quando os deuses inferiores entram em greve contra os deuses mais poderosos, repre­sentados por Enlil.
Aqueles vinham cavando canais de irrigação e estavam cansados de seu trabalho. Fizeram então um piquete junto à residência de Enlil e o resultado foi que o grande deus decidiu criar trabalhadores alternativos. Belet-ili, a deusa do nas­cimento, é, então, orientada a fabricar os primeiros seres huma­nos para “que suportem o jugo, a tarefa de Enlil. Que o homem assuma o trabalho vil dos deuses”.[9] Para realizar essa tarefa, Be- lit-ili, com a ajuda do deus sábio Enki, matou We-ila, um dos deuses menos importantes, e misturou seu sangue com 0 barro, desse modo produzindo a humanidade.
Canaã. Ao longo de todo o período bíblico os israelitas foram tentados a adorar os deuses e deusas dos antigos moradores da terra, os cananeus. Embora Davi tenha conseguido remover da Palestina todos os representantes expressivos desse grupo, seus parentes continuaram existindo no norte, onde hoje estão locali­zados, o Líbano e a Síria. As divindades mais ativas de Canaã são bem-conhecidas: Baal, El, Asera e Anate. Uma vez que a religião cananéia tinha uma atração assim tão forte nos corações dos israelitas, é particularmente importante examinar o con­ceito cananeu de criação. .
Na realidade, não se descobriu nenhum texto sobre a criação entre as tábuas encontradas na antiga Ugarite, a principal fonte de nosso conhecimento de literatura e religião cananéias. No entanto, é possível que um episódio só parcialmente recuperado do famoso “ciclo de Baal” contivesse tal narrativa, visto que a parte recuperada apresenta semelhança formal com o Enuma elish, pois envolve um conflito entre o deus principal do panteão (neste caso Baal) e o deus/deusa do mar (neste caso Yam). No texto ugarítico ficamos sabendo que Yam tenta tomar o poder do pan­teão e declara Baal seu prisioneiro. Baal resiste e faz ao deus artí­fice Kothar-wa-hasis a encomenda de dois bastões. Com esses bastões Baal combate, derrota e bebe Yam. A essa altura o texto está interrompido, mas muitos estudiosos acreditam que o que veio após a derrota do mar (Yam) foi um relato de criação aná­logo ao de Enuma elish.[10] [11]
Relatos concorrentes de criação
Como nosso conhecimento de outros textos sobre a criação prove­nientes do antigo Oriente Próximo influencia nossa interpretação de Gênesis 1—2? Para responder a esta pergunta, teremos de prestar atenção tanto nas semelhanças quanto nas diferenças entre o texto hebraico e os relatos mais vastos do Oriente Próximo.11 Uma apresentação mais completa do quadro do relato da criação em Gênesis nos aguarda num capítulo mais adiante. Aqui serei seletivo, dirigido pelos dados textuais do antigo Oriente Próximo.
Existem certas semelhanças gerais bem como específicas en­tre Gênesis 1—2 e outros textos de criação. Uns poucos exemplos-chave serão ilustrativos.
Primeiramente, é interessante assinalar que a maioria dos relatos pressupõe um período de caos, o qual é seguido pela ordem.
Além disso, o caos primevo é descrito como uma massa de água. O Enuma elish descreve como Marduque criou o cosmo a partir do corpo de Tiamat (o mar). O mito de Baal presumivelmente seguiu esse modelo com Baal criando o mundo a partir de Yam (que também é o mar), ao passo que nos mitos egípcios a elevação ou montículo primevo emana de Nun, que são as águas primevas.
Gênesis 1 também descreve o material inicial da terra como sem forma e vazio, havendo trevas sobre as águas, e, no segundo dia, a aparição da terra é resultado da separação entre as águas dos céus e as águas da terra (Gn 1.6). Desse modo parece exis­tir uma similaridade na concepção de criação a partir de uma massa indistinta.
Como exemplo de uma ligação específica, devemos assinalar a teologia menfita (ver p. 83-84). Em Gênesis 1, a fala de Deus tem o objetivo de realizar os diferentes atos de criação. Na teolo­gia menfita a palavra de Ptah traz à existência as coisas criadas.
Porém, mais significativo é, talvez, que parece haver uma similaridade cada vez maior em certas concepções da criação da humanidade. Mas aqui também detectamos diferenças.
Textos mesopotâmicos refletem bem de perto o relato bíblico da criação dos seres humanos. Enuma elish narra como Marduque abateu o deus-demônio Qingu, apanhou o sangue e o misturou com o barro. Atrahasis descreve o morticínio do deus We-ila e como Belit-ili mistura o sangue de We-ila com barro. Finalmente os deuses cospem naquela mistura, e a humanidade passa a existir. Atrahasis, em particular, deixa bem claro que os seres humanos são criados com um propósito. Devem realizar trabalhos manuais para poderem substituir as divindades menores que tinham entra­do em greve.
O relato bíblico da criação também fala de seres humanos que vieram a existir mediante a combinação de elementos consti­tutivos. Adão é criado a partir do pó da terra e do sopro de Deus, o que provavelmente indica a ligação do ser humano com a ordem criada e o relacionamento especial que tem com a divindade. Mais tarde Eva é criada da costela de Adão. Um estudioso identificou algo que, no seu entendimento, é significativo, a saber, o uso da palavra costela no texto, pois as palavras sumérias para vida e costela soam parecidas (ti[l]),u muito embora isso pareça forçado.
Os textos da criação em Gênesis tratam a humanidade com mais respeito do que seus equivalentes mesopotâmicos. Na ver­dade, Adão e Eva são criados para o trabalho manual, para cuidar do jardim, mas também são descritos como criados à imagem de Deus, e o relacionamento com seu Deus parece ser mais pessoal.[12] [13] Aqui podemos ver como um exame da literatura do antigo Oriente Próximo ilumina o relato de Gênesis e a intenção do autor bíblico.
Assim mesmo, em um assunto específico, a semelhança ainda nos deixa com perguntas. A criação de Adão ocorreu literalmente da forma como é narrada ou o relato da criação de Adão é elabo­rado de modo a nos ensinar coisas sobre a natureza da humani­dade? Deus de fato empregou o pó da terra para formar o corpo de Adão e soprou seu fôlego dentro do corpo? Em caso afirma­tivo, então provavelmente devemos ver o relato mesopotâmico como corrupção de uma verdade fundamental acuradamente pre­servada na tradição bíblica.
O mais provável, contudo, é a idéia de que Gênesis se apro­priou da tradição do Oriente Próximo e então substituiu a cus­pida ou sangue divinos pelo sopro de Deus. Isso comunica tanto a verdade de que os seres humanos são criaturas ligadas à terra e indivíduos que possuem um relacionamento especial com Deus, pois foi Deus quem criou a humanidade.
Diferenças entre Gênesis e outros relatos de criação
Entretanto, ainda mais notável que as semelhanças, são as dife­renças que o relato de Gênesis possui com relação à tradição mais disseminada sobre a criação no antigo Oriente Próximo. Em pri­meiro lugar, observe-se uma diferença importante no processo de criação: a ausência de conflito em Gênesis.
Em particular, os relatos mesopotâmicos e cananeus da cria­ção revelam um conflito no cerne da criação. Marduque derrota as forças do caos (Tiamate), como também o faz Baal (Yam). Apesar de enormes esforços para identificar vestígios de um mito de conflito, Yahweh não se defronta com nenhum rival do gênero no relato de bíblico.[14] Deus modela a massa aquosa num mundo belissimamente ordenado ao longo dos seis dias da criação.[15]
É claro que isso ressalta as diferenças mais importantes e fundamentais entre Gênesis e todos os demais relatos da criação e destaca o tema isolado mais importante desses capítulos: Yahweh criou o cosmo! Marduque não o fez, nem Baal, nem Atum, nem Re, nem qualquer outro deus. É claro que não houve conflito na época da criação porque não existia algum rival que pudesse se posicionar contra Yahweh. O propósito dos textos da criação, quando lidos à luz de relatos alternativos da época, foi asseverar a verdade sobre quem foi o responsável por ela.
Ler Gênesis 1—2 à luz de relatos egípcios, mesopotâmicos e cananeus da criação, enriquece nosso entendimento do texto bíblico, embora principalmente por meio de contraste. O princi­pal contraste tem a ver com a identidade e a natureza do Criador. O relato bíblico apresenta um só Deus, alguém que é Deus e mais ninguém, que criou o mundo. Este Deus único criou sem qualquer oposição. Mas nos relatos mesopotâmicos, e em relatos cananeus relacionados, o cosmo veio a existir por causa de con­flito. De acordo com Gênesis, o conflito é introduzido no mundo não pelos deuses mas pela rebelião da humanidade (Gn 3).
A diferença de concepção sobre a esfera divina também explica por que há um contraste entre a presença ou ausência de uma teogonia, ou seja, um relato sobre o nascimento dos deuses. Além do mais e relacionado a isso, existe o fato de o texto bíblico afir­mar que foram criadas muitas coisas que aqueles povos acredita­vam serem divinas. No Egito, por exemplo, o principal deus e criador é, na maioria dos relatos, o sol, quer se lhe dê o nome de Amom ou Atum ou Re. De acordo com a Bíblia, Yahweh criou o sol no quarto dia juntamente com os outros corpos celestes.
Talvez o mais notável é que devamos ler o relato da criação da humanidade à luz de conceitos mesopotâmicos. No Enuma elish os seres humanos são uma união do barro com o sangue de um deus-demônio; na Bíblia, uma união entre o pó e o sopro de Deus. Certamente isso não é acidental, mas é, provavelmente, uma polêmica propositada da parte do autor bíblico. À superfí­cie, o relato bíblico tem uma nobreza e uma dignidade inexis­tentes nos relatos do antigo Oriente Próximo.
Também é verdade que nas duas tradições a esfera divina coloca os seres humanos para trabalhar, mas o cultivo do jardim é um trabalho mais nobre do que escavar os canais de irrigação, particularmente depois de ouvir as queixas dos deuses menores, os quais, de acordo com Atrahasis, anteriormente tinham aquela tarefa.

[1]       Jacobus van Dijk, “Myth and mythmaking in ancient Egypt”, em Civilizations of the ancientNearEast, ed. por Jack M. Sasson (New York: Scribners, 1995), v. 3, p. 1697-8.
[2]       Para uma síntese útil de idéias cosmogônicas egípcias, ver John D. Currid, Ancient Egypt and the Old Testament (Gramd Rapids: Baker, 1997), p. 53-73.
[3] Relatos egípcios empregam metáforas diferentes para descreverem o pro­
cesso de emanação das outras divindades a partir do deus criador. As duas mais proeminentes são espirrar e masturbar.    
[4]       Veja The context of Scripture, ed. Willim W. Hallo e K Lawson Younger Jr (Boston: Brill, 1997), v. 1, p. 21 e 22.
[5] Ibid, p. 22.
[6]De acordo com W. G. Lambert (“Kosmogonie”, em Reallexikonflir Assyrio- logie [Berlin/Leipzig: deGruyter, 1990] v. 6, p. 218-22), a Mesopotâmia está, na verdade, mais interessada em teogonia do que em cosmogonia. E claro que as duas estão integralmente relacionadas, visto que os deuses representam aspectos da ordem criada.
[7]       A tradução de Benjamin R. Goster, The contexto of Scripture (Leiden: BrilI, 1997), v. 1, p. 398.
[8]       W. G. Lambert e A. R. Millard, Atra-Hsis: The Babylonian story of theflood (Oxford: Clarendon Press, 1969). Veja também Alan R. Millard, “A new Babylonian ‘Genesis’ story”, Tyndale Bulletin 18 (1967): 3-18.
[9] Benjamin R. Foster, Before the muses (Bethesda: CLD, 1993), v. 1, p. 165.
[10]     VerThorkild Jacobsen, “The battle between Marduk andTiamat”,/«Mr«ij/ of American OrientalSociety 88 (1968)> 104-108.
[11]     E claro que existem diferenças entre os diferentes textos do Oriente Pró­ximo e até dentro dos relatos das várias regiões do Oriente Próximo, mas, ten­do em vista o objetivo deste capítulo, nos concentraremos nas semelhanças e diferenças entre Gênesis e os textos do antigo Oriente Próximo como um todo.
[12]      Samuel N. Kramer, The Sumerians (Chicago: University of Chicago Press, 1963), p. 149.
[13]      Howard N. Wallace ressalta que tanto o texto mesopotâmico quanto o bíblico apresentam o trabalho manual como o propósito da criação da humani­dade; ele, contudo, comete o erro de não apontar para as diferenças em termos de qualidade do trabalho e de relacionamento com a esfera divina {The Eden narrative [Atlanta: Scholars, 1985], p. 70).
[14]      Vejajon D. Levenson, Creation and the Persistence ofEvil (Princeton: Prin- ceton University Press, 1988). Conquanto se deva admitir de imediato que a tradição poética se refletirá no uso, pelo relato da criação, de conflito entre Yahweh e os monstros do mar (Leviatã, também conhecido na literatura cananéia antiga como um associado do deus Yam; ver SI 74). No entanto, aqui vemos o autor empregando licença poética para transmitir a mensagem de que Yahweh e não Baal é quem controla as forças do caos. Tais expressões poéticas não devem ser lidas como afirmações normativas sobre como a criação de fato se deu.
[15]      Indo mais adiante, é provável que Gênesis 1 pelo menos deixe implícito que Deus criou a massa aquosa em vez de pressupor que ela estava simplesmente ali, o que parece ser o caso em outros textos da criação. Entretanto, não é uma questão fácil se Gênesis 1 ensina “criação a partir do nada”. Isso será discutido no capítulo 7.

quinta-feira, 29 de março de 2012

SUPERANDO A DEPRESSÃO ( Um homem na caverna) 1 Rs 19.1-18

 “Buraco”, “fundo do poço”, “fim do túnel” são expressões que diariamente são ouvidas em referência ao estado depressivo. Doença de causas variadas, que podem ser emocionais e físicas, tem sintomas bastante nocivos para a vida e alma do acometido por essa enfermidade, tais como cansaço, desânimo para a vida, desejo de fuga da realidade.

1 Reis

19.1 Acabe fez saber a Jezabel tudo quanto Elias havia feito e como matara todos os profetas à espada.

19.2 Então, Jezabel mandou um mensageiro a Elias a dizer-lhe: Façam-me os deuses como lhes aprouver se amanhã a estas horas não fizer eu à tua vida como fizeste a cada um deles.

19.3 Temendo, pois, Elias, levantou-se, e, para salvar sua vida, se foi, e chegou a Berseba, que pertence a Judá; e ali deixou o seu moço.

19.4 Ele mesmo, porém, se foi ao deserto, caminho de um dia, e veio, e se assentou debaixo de um zimbro; e pediu para si a morte e disse: Basta; toma agora, ó SENHOR, a minha alma, pois não sou melhor do que meus pais.

19.5 Deitou-se e dormiu debaixo do zimbro; eis que um anjo o tocou e lhe disse: Levanta-te e come.

19.6 Olhou ele e viu, junto à cabeceira, um pão cozido sobre pedras em brasa e uma botija de água. Comeu, bebeu e tornou a dormir.

19.7 Voltou segunda vez o anjo do SENHOR, tocou-o e lhe disse: Levanta-te e come, porque o caminho te será sobremodo longo.

19.8 Levantou-se, pois, comeu e bebeu; e, com a força daquela comida, caminhou quarenta dias e quarenta noites até Horebe, o monte de Deus.

19.9 Ali, entrou numa caverna, onde passou a noite; e eis que lhe veio a palavra do SENHOR e lhe disse: Que fazes aqui, Elias?

19.10 Ele respondeu: Tenho sido zeloso pelo SENHOR, Deus dos Exércitos, porque os filhos de Israel deixaram a tua aliança, derribaram os teus altares e mataram os teus profetas à espada; e eu fiquei só, e procuram tirar-me a vida.

19.11 Disse-lhe Deus: Sai e põe-te neste monte perante o SENHOR. Eis que passava o SENHOR; e um grande e forte vento fendia os montes e despedaçava as penhas diante do SENHOR, porém o SENHOR não estava no vento; depois do vento, um terremoto, mas o SENHOR não estava no terremoto;

19.12 depois do terremoto, um fogo, mas o SENHOR não estava no fogo; e, depois do fogo, um cicio tranqüilo e suave.

19.13 Ouvindo-o Elias, envolveu o rosto no seu manto e, saindo, pôs-se à entrada da caverna. Eis que lhe veio uma voz e lhe disse: Que fazes aqui, Elias?

19.14 Ele respondeu: Tenho sido em extremo zeloso pelo SENHOR, Deus dos Exércitos, porque os filhos de Israel deixaram a tua aliança, derribaram os teus altares e mataram os teus profetas à espada; e eu fiquei só, e procuram tirar-me a vida.

19.15 Disse-lhe o SENHOR: Vai, volta ao teu caminho para o deserto de Damasco e, em chegando lá, unge a Hazael rei sobre a Síria.

19.16 A Jeú, filho de Ninsi, ungirás rei sobre Israel e também Eliseu, filho de Safate, de Abel-Meolá, ungirás profeta em teu lugar.

19.17 Quem escapar à espada de Hazael, Jeú o matará; quem escapar à espada de Jeú, Eliseu o matará.

19.18 Também conservei em Israel sete mil, todos os joelhos que não se dobraram a Baal, e toda boca que o não beijou.

A Bíblia em Hb 11 onde relata uma grande galeria de heróis da fé. O nome de  Elias está implícito  em 11.32. Elias significa Jeová é Deus. Um nome muito sugestivo. Que ao ser mencionado deveria produzir confiança. Não somente o nome evidenciava o poder de Deus, mas também Elias presenciava dia a dia o poder sobrenatural de Deus. Havia orado e por três anos e seis meses não choveu sobre a terra, foi sustentado por corvos.

A fome era intensa em Israel e por orientação divina foi até a casa de uma viúva e ali multiplicou o azeite e a farinha  para que tivessem mantimento por muitos dias. O filho da viuva adoeceu e Elias orando a criança ressuscitou. Foi ele quem começou a orar, rogando ao Senhor que não chovesse sobre Israel, até que houvesse arrependimento no meio do povo de Deus (1 Rs 17:1).

Durante três anos e seis meses, de fato, não choveu em Israel. Nesse período, Deus instrui Elias a ir até Acabe, a fim de que se reunissem todos os profetas, cuja malignidade idolátrica influenciava o povo. Eram ao todo 450 profetas, que a pedido de Elias deveriam encontrar-se no Monte Carmelo, do lado da orla marítima de Israel.

Lá se encontraram. Elias os desafiou, dizendo-lhes que o deus que fosse Deus haveria de ouvi-los, respondendo à peti­ção por fogo: “Então, invocai o nome de vosso deus, e eu invocarei o nome do SENHOR; e há de ser que o deus que responder por fogo esse é que é Deus” (1 Rs 18:24).

Os profetas de Baal e do poste-ídolo invocaram seu deus, suplicando-lhe que uma resposta de fogo lhes fosse dada, cain­do do céu fogo a fim de consumir o que lhe estava sendo ofertado. Oraram durante todo o dia, e não  veio fogo nem voz alguma. Após terem cessado suas petições, Elias levantou o altar de Deus que estava em ruínas, e o molhou abundante­mente, para tornar claro que o que cairia do céu para consumir a oferta era fogo do Senhor. Feito isto, orou:

“Ó SENHOR, Deus de Abraão, de Isaque e de Israel, fique hoje sabido que tu és Deus em Israel, e que eu sou teu servo, e que segundo a tua palavra fiz todas estas coisas. Responde-me, SENHOR, responde-me, para que este povo saiba que tu, SENHOR, és Deus, e que a ti fizeste retroceder o coração deles” (1 Rs 18:36,37).

A Bíblia nos diz que, tendo ele acabado de orar, caiu fogo do céu: “Então caiu fogo do Senhor, e consumiu o holocausto, e a lenha, e as pedras, e a terra, e ainda lambeu a água que estava no rego” (1 Rs 18:38).

Elias, depois disto, matou os profetas de Baal e subiu ao monte para orar, pedindo ao Senhor que mandasse chuva, pois tudo estava minguando. Instruiu então seu servo a olhar na direção do mar, para ver se havia alguma nuvem que prenunci­asse chuva. Ele foi, e voltou dizendo: “Não, não há nada.”

 “Volta outra vez, e toma a verificar” — disse Elias.
O rapaz ia, não via nada, e voltava. Elias repetia a instrução. E assim fez por sete vezes. Na sétima vez ele viu uma coisa estranha: uma nuvem pequena como a palma da mão aparecia no horizonte. Ao contar a Elias o que vira, este lhe disse:
“Sobe, e dize a Acabe: Aparelha o teu carro, e desce, para que a chuva não te detenha” (1 Rs 18:44).

Fez o moço conforme Elias instruíra. Diz-nos a Bíblia que a mão do Senhor veio sobre Elias, de modo que ele desceu corren­do o Monte Carmelo, passando pela caravana de Acabe, até Jezreel, num percurso de pelo menos 25km. Orou para que chovesse novamente, e a chuva começou a se formar. Advertiu a Acabe que as chuvas desde a muito esperadas logo teriam início. Acabe cobriu apressadamente em seu carro real os 24 Km de trajeto até Jezreel, mas Elias capacitado por Deus correu chegando na frente dele demonstrando grande vigor.

Elias era um homem de uma energia física impressionante. Em 1 Reis 18:42, ele está no Monte Carmelo. Já no v. 46 desse mesmo capítulo, diz-se que ele saiu de onde estava e correu até Jezreel, que distava dali aproximidade 25 km. Depois, foi até Berseba (1 Rs 19:3), distante 160km, indo em seguida para o Monte Horebe (1 Rs 19:8), que ficava a 300km, perfazendo um total de 485km.

Chegando ao palácio, Acabe fez saber a Jezabel, sua esposa, tudo quanto Elias fizera aos profetas de Baal, que eram protegi­dos pela rainha. Então ela, uma mulher maligna e idólatra, man­dou dizer a Elias: “Façam-me os deuses como lhes aprouver se amanhã a es­tas horas não fizer eu à tua vida como fizeste a cada um deles” (IRs 19:2).

Elias, quando recebeu a mensagem, temendo, em pânico, fugiu para Berseba, deixando seu moço naquela cidade, e rumando logo em seguida para o deserto, sob um sol causticante, pedindo ao Senhor a própria morte. Tiago nos lembra que Elias era um homem como nós, sujeito as mesmas paixões e fraquezas. Há momentos em que somos corajosos, em outros somos covardes. De atos heróicos passamos para atos de fuga. De ousados nos tornamos em temerosos.

Podemos nos identificar nesta hora com Elias, verificando que a nossa vida é cheia de autos e baixos. Pois existem certos momentos da nossa existência que procuramos nos esconder numa caverna.

Um Homem na Caverna

1. O que leva um homem para a caverna? (DEPRESSÃO)

1.1 O medo do inimigo. Temendo pois Elias,...” (v.3) O que é que transforma um herói da fé em um covarde? O v. 3 diz que Elias teve medo de Jezabel.

É incrível como um homem que tinha tido as experiências que Elias teve viesse a se intimidar por algo tão pequeno, em proporção aos desafios que já tinha vencido.

A ameaça pode ser a possibilidade de falência, o término de um namoro, a perda do vestibular, a intriga de um vizinho, uma enfermidade e, até mesmo, um trabalho de macumba feito contra você.

Esta ameaça desencadeou no profeta uma seqüência inevitável de atitudes depressivas. Normalmente, sempre que nos vemos ameaçados por qualquer coisa, assumimos as mesmas atitudes.

1.2 Preocupação com a própria vida. “Temendo pois Elias, levantou-se  para salvar a sua própria vida” (v.3)

Ao receber a palavra de Jezabel de que logo seria morto, a primeira coisa que Elias fez foi levantar-se, cheio de temor, e fugir a fim de salvar a vida:

Sempre que nos vemos ameaçados de alguma maneira, a primeira reação é uma imensa preocupação com a sobrevivência material. Quando isto acontece, voltamos o olhar para nós, numa espécie de autodescobrimento, como se temêssemos perder-nos a nós mesmos.

A atitude de Elias foi “Salve-se quem puder”. No momento de perigo e quando o medo toma conta da nossa vida geralmente a nossa atitude é essa. (Tia Jane)

1.3 O abandono da comunhão.  Elias foi até Berseba, e ali deixou seu moço, como está dito no v. 3: e chegou a Berseba, que pertence a Judá; e ali deixou seu moço” (1 Rs 19:3).

Esta é a conseqüência imediata na vida de qualquer homem ou mulher que se sente ameaçado: o abandono da co­munhão, dos relacionamentos. E como se nos sentíssemos intimidados, voltando-nos então para dentro, preocupados com nós mesmos, distanciando-nos, enfim, das demais pessoas, com as quais já não conseguimos manter diálogo, a tal ponto nos tor­namos encaramujados.

Na verdade não há mais possibilidade de relacionamentos interpessoais. Abandonamos nossos amigos e os que faziam parte do nosso mundo, até mesmo os queridos, porque a preocupação e a ameaça nos consomem o tempo e a possibilidade de viver para outros, só nos dedicando a refletir sobre as ameaças que pairam sobre a nossa cabeça.

Num momento tão delicado como este na vida do profeta, sua atitude foi a de afastar-se da comunhão de seu colega de lutas. A depressão afasta a pessoa dos irmãos, dos amigos. O afastamento, por sua vez, pode produzir mais depressão. O Sl 133 nos diz que a comunhão produz benção e vida.

1.4 O desespero da vida. “ele mesmo, porém foi para o deserto (...) e pediu para si a morte” (v.4)

Elias foi acometido por um profundo de­sinteresse pela vida: “...e pediu para si a morte, e disse: Basta; toma agora, o SENHOR, a minha alma, pois não sou melhor do que meus pais” (1 Rs 19:4).

Observe-se que há um paradoxo em toda esta situação. Ele sente-se ameaçado, olha para dentro de si, preocupa-se com sua sobrevivência material, mas no fim de tudo desinteres­sa-se da própria vida — o que constitui um paradoxo.

Por que as pessoas se matam? A falência da firma, ou o abandono do marido; a perda do emprego, ou uma doença; enfim, qualquer ameaça que sobrevenha faz com que se preo­cupem consigo mesmas. Mas o estado de calamidade em que se encontram vai gerando outros desdobramentos, os quais ti­ram delas o desejo de continuar vivendo. A ameaça, no início, leva o homem a preocupar-se consigo, mas no fim faz com que perca todo interesse pela existência.

Meu pai foi muito próspero na vida, um médico muito conhecido, dono de um hospital. Mas as coisas começaram a sair erradas, e ele teve que vender seu hospital.

Ele entrou nesses mesmos pro­cedimentos depressivos adotados por Elias: preocupou-se em primeiro lugar com sua sobrevivência; logo em seguida aban­donou os relacionamentos familiares mais triviais, como o diá­logo, caindo numa introspecção letal; depois, uma motivação negativa tomou conta do seu coração, fazendo-o descrer de qualquer possibilidade de restauração do seu negócio, culmi­nando num desejo profundo de não mais viver.

Elias experimentou tudo isto. Ele era um homem de Deus, mas procurou até mesmo fugir de sua presença. Isto é uma contradição entre a teologia e a prática. Ou seja, teoricamente ele cria no Senhor, mas vivia, naquele momento, como os pro­fetas de Baal: triste, melancólico e amargurado.

Quando a vida perde o sabor, perde o sentido, sempre que nos preocupamos de maneira excessiva com a nossa sobrevivência, quase sempre acabamos perdendo o interesse pela vida.

Sentiu-se perseguido e ficou cheio de auto-piedade. Somente via as sombras inimigas e as ameaças não lhe saiam da memória. Entrou em uma crise de depressão profunda. No seu desespero pede  morte, oração que não é lícita.

1.5 Motivação negativa. Elias encheu-se de uma terrível motiva­ção negativa: “Ele mesmo porém se foi ao deserto” (1 Rs 19:4).

Note-se que Elias não fora impelido, enviado para lá. Pelo contrário: em razão de uma manifestação depressiva e uma tre­menda motivação negativa que lhe cercava a alma, dirigiu-se para o deserto.

Quando nos sentimos ameaçados, preocupamo-nos com nós mesmos, depois rompemos com os relacionamentos à volta, e nos enchemos de uma motivação negativa, procurando todo tipo de afastamento e alienação de qualquer relação interpessoal que um dia tenhamos mantido.

“Pois não sou melhor do que meus pais” (v.4)

1.6 Sentimento de solidão. V.10 e 14 Primeiro abandona o seu companheiro. Ao ser questionado por Deus, por duas vezes Elias respondeu que  sentia solidão. Um sentimento de autopiedade tomou conta de Elias. Se sentia um coitado perseguido, por isto foi à caverna.

2. O que tira um homem da caverna? (DEPRESSÃO)

2.1 Sair da caverna e colocar-se na presença do Senhor. Disse-lhe Deus: Sai, e põe-te neste monte perante o Senhor v. 11 Esta é a palavra de Deus. Não há mistério; tampouco estu­do nenhum do mundo psicológico humano. O que há é tão-somente uma palavra: “Sai.”

A palavra de Deus para Elias é hoje a mesma dirigi­da a todos aqueles que se encontram na caverna, deprimidos, amargurados, sentindo-se ameaçados pelas circunstâncias da vida:

Parece que é mais fácil e comum nos escondermos num quarto escuro, afogando as magoas no travesseiro do que se colocar na presença do Senhor quando enfrentamos tribulação. O primeiro passo é sair da caverna. Hoje o Senhor lhe diz: Saia da caverna.

2.2 Discernir o modo de Deus agir em nossas vidas. v. 11-12
Elias saiu da caverna e chegou ao lugar sagrado onde Moisés havia recebido a lei. A semelhança de Moisés, ali Elias passou por experiências poderosas. Deus aproximou-se, e a aparição produziu um vento aterrorizante que rasgou os mon­tes e quebrou em pedaços as rochas.

No entanto, Deus não estava no vento, embora o tivesse causado. E, então, de súbito, um terremoto atingiu a área. Aquilo que o vento não despedaça­ra, o terremoto destruiu. Foi uma manifestação aterrorizante; mas Deus tam­bém não estava no terremoto, embora o tivesse causado.

Um grande incêndio seguiu-se ao terremoto. Foi aterrorizante, mas Deus também não estava no fogo, embora o tivesse causado.

A seguir, um cicio tranqüilo e suave. O hebraico diz, literalmente, um som de gentil silêncio” (cf. Jó 4.16). O silêncio tinha algo para dizer. O vento, o terremoto e o fogo foram os precursores da presença divina.

A presença divina não podia ser encontrada no grande ruído e no despedaçar das rochas. Também não estava no estremecimento do solo. Mas estava naquele silêncio.

Furacão terremoto, fogo que manifestaram em Ex 19 a presença de Deus, são sinais precursores de sua passagem. “O Senhor tem seu caminho na tormenta e na tempestade”. (Na 1.3)

O murmúrio de um vento tranqüilo simboliza a intimidade do seu trato com seus servos, mas não suavidade de sua ação com os inimigos do seu povo. Os v. 15-17 provam a veracidade desta afirmação

2.3  Seguir o caminho indicado por Deus. “Disse-lhe o Senhor: Vai, volta ao teu caminho para o Deserto de Damasco e, em chegando lá, unge a Hazael rei sobre a Síria.” (v.15)

Na comunhão e no discernimento de Deus agir em nossas vidas vem a direção de Senhor para a nossa vida. Volta ao teu caminho. Retoma o que tens para fazer.

2.3 Crer que Deus é quem conserva o seu povo. “Também conservei em Israel sete mil; todos os joelhos que não se dobraram a Baal...” (v.18)

3. Porque viver fora da caverna? (DEPRESSÃO)

3.1 Deus não nos planejou para a depressão ou desânimo.  Foi por esta razão que o Senhor lhe perguntou: “Que fazes aqui, Elias?” (1 Rs 19:9)

Elias entrou em uma caverna. “Que fazes aqui Elias? “ Virou avestruz? Escondeu a cabeça num buraco?  O profeta estava no lugar errado. 

Deus na verdade enviara Elias ao Monte Horebe, mas não o impelira para dentro de nenhuma caverna. Ele argumenta com Elias: “Eu não planejei a caverna para você, Elias, e sim o monte; idealizei para você luz, não trevas.”

Deus não nos criou para vivermos sob opressão e depressão. A palavra nos diz que somos mais do que vencedores. Jos. 1.5 “Ninguém te poderá resistir todos os dias da tua vida; como fui com Moisés, assim serei contigo: Não te deixarei nem te desampararei.”

3.2 Nossa vocação é para sermos elementos de unção nas vidas das pessoas.   Deus quer que saibamos que nossa pre­sença na vida é para que sejamos fatores de bênção e unção para outras vidas:

“Disse-lhe o SENHOR: Vai, volta ao teu caminho para o deserto de Damasco e, em chegando lá, unge a Hazael rei sobre a Síria. A Jeú, filho de Ninsi, ungirás rei sobre Israel, e também Eliseu, filho de Safate de Abel-Meolá, ungirás profeta em teu lugar” (1 Rs 19:15,16).

(...)Eliseu recebeu porção dobrada do Espírito, E Elias é elevado ao céu. II Rs 2.9-14

Deus nos chamou para que sejamos abençoadores de ou­tras vidas. Não adianta crer em Deus, se vivemos oprimidos e deprimidos.

3.3 Em terceiro lugar, Deus quer que saibamos: ele está sobre nossos adversários. Foi ele mesmo quem nomeou os reis que deveriam destruir Jezabel, inimiga de El ias:

“Quem escapar à espada de Hazael, Jeú o matará; quem escapar à espada de Jeú, Eliseu o matará” (1 Rs 19:17).

Deus disse a Elias, em outras palavras: “Confia em mim, Elias. Aquela que o ameaça já está com os dias contados.”

Há pessoas que estão vivendo sob opressão e depressão. Mas Deus nos convida a sair da caverna, a abrir-nos para uma vida de confiança nele, sejam quais forem as circunstâncias adversas que nos sobrevenham.

A expressão “não temas” ocorre 365 vezes na Bíblia, o que equivale dizer “uma para cada dia do ano.”  Portanto, saiamos das sombras e caminhemos no caminho da luz, rumo à felicidade, no nome de Jesus.