sexta-feira, 23 de março de 2012

QUANDO A CASA CAI - Mt 7.24-27


Conhece a expressão "a casa caiu"? Esse termo é uma figura de linguagem muito usado por policiais quando prendem pessoas em flagrante... Então eles dizem, a casa caiu. Também pode significar que tudo estava irregular, agora descobriram, por exemplo, se você estava enganando alguém, e este descobre... isto é, " a casa caiu", descobriram. 
O Sermão da montanha é uma das mais impressionantes passagens das escrituras. O ensino contido nos exerce um fascínio sem par. Ele parece encerrar a essência do ensino de jesus. Ele torna a justiça atrativa; envergonha nosso fraco desempenho; gera sonhos de um mundo melhor. Nesta ocasião o Senhor, apresentou aos seus discípulos uma contracultura cristã.  Uma maneira totalmente diferente de viver do mundo.

Dentro deste sermão, está a passagem que acabamos de ler. Diversas interpretações tem sido sugeridas. Temos uma comparação entre o crente verdadeiro e o falso crente. Ainda alguns, interpretam-na  como os testes aplicados na vida do crente no dia do juízo final. Todavia, nos é possível aplicarmos a passagem na perspecitiva da família. Entendemos que tal aplicação nào viola nem distorce o texto bíblico. Pelo contrário, as próprias Escrituras comparam a edificação de um lar á construção de uma casa. O Sl 127.1 começa afirmando que : “Se o Senhor não edificar a casa em vão trabalham os que a edificam”

Jesus nos afirma que o que ouve as suas palavras e as pratica, é comparado ao homem prudente que edificou sua casa sobre a rocha, em contraste com o que não ouve suas palavras, um insensato que edificou sua casa sobre a areia.

A parábola é atual, pois fala do desejo da maioria das pessoas, de ter uma casa e uma família. Notem que estes dois homens tinham o mesmo desejo. Ambos desejavam construir a sua casa, uma casa onde eles pudessem viver com seus familiares, desfrutando de merecido lazer e gozando a vida. Não somente isso, mas também desejavam construir suas casas  em um mesmo local, sendo até mesmo vizinhos, porquanto nosso Senhor deixou perfeitamente claro que as duas casas foram sujeitas precisamente ao mesmo teste e à mesma tensão.

Outro fato é que contempladas pelo lado de fora e à superfície, não havia diferença exceto . As portas, as janelas e a chaminé estavam exatamente nas mesmas posições; elas tinham o mesmo traçado, o mesmo padrão - aquelas casas eram aparentemente idênticas exceto no alicerce. No entanto nosso Senhor apresentou-nos uma comparação. Há dois homens e duas casas. Dois homens e duas familias. Uma bem sucedida e outra fracassada que veio a ruína.

Quando a Casa Cai

O registro de Lucas 6.46-49 é extremamente útil. Somos informados de que o sábio cavou fundo e lançou os alicerces de sua casa, ao passo que o tolo não cavou coisa nenhuma, e nem se perturbou em lançar um alicerce. Porque será?

1. Quando o construtor tem pressa.

O fato é que o insensato tinha pressa, queria logo uma bela casa construída, ou seja não quer gastar tempo com a família. Mas não queria dispor de tempo na edificação do alicerce. Em contraste com o sábio, o insensato não dedicava tempo ao seu empreendimento, mas vivia interessado em atalhos e resultados imediatos.

2. Quando o construtor não busca a instrução do arquiteto.

O insensato  desconsiderava a instrução do arquiteto, não buscava orientação na Palavra de Deus para sua família. Ele não tinha tempo para ouvir instruções, e nem dava qualquer atenção às regras que governam a construção de uma casa. A construção de uma casa é uma questão séria, e o indivíduo que anela por construir uma casa nunca deveria pensar meramente em termos de ter alguma espécie de teto por sobre a sua cabeça. Pelo contrário deveria, perceber que existem certos princípios de engenharia que precisam ser observados, se ele tiver de contar com uma construção satisfatória e duradoura.

Essa é a razão pela qual os proprietários consultam os arquitetos; e os arquitetos fazem planos, estabelecem especificações e fazem os seus cálculos. O sábio anela por saber qual é a maneira certa de fazer as coisas; e, por esse motivo, dá ouvido às instruções e se dispões a ser ensinado. Por sua parte o insensato, não se interessa por tais coisas. Ele quer uma casa e não deseja aborrecer-se com regras e especificações. Diz ele: “Faça-se logo essa construção! “O tolo mostra-se impaciente, despreza a instrução e o ensino dizendo que deseja dar prosseguimento à construção.

3. Quando o construtor não se preocupa com os perigos que rondam a casa.

Trata-se de uma mentalidade que nunca pesa as conseqüências detidamente, que nunca para a fim de imaginar e considerar possibilidades e eventualidades, ou seja não está preocupado com os perigos que rondam a família. O insensato, que edificou a sua casa sem alicerce e sobre a areia, Não parou nem uma única vez a fim de perguntar a si mesmo: “Se eu construir minha casa deste modo, o que poderá acontecer com ela?”

É possível que este rio tão bonito  à vista durante o verão, venha a transbordar em resultado de fortes chuvas, e assim a minha casa venha a ser inundada?” Ele nunca parou para considerar essa possibilidade. Tão somente desejava possuir uma casa agradável, naquele local que começou a construí-la sem levar em conta qualquer conseqüência. E se porventura alguém se aproximasse e lhe dissesse: “Olhe aqui meu amigo, de nada adianta você levantar uma casa sobre a areia. Será que não está percebendo o que pode acontecer à uma casa edificada em local como este? 

Você parece não reconhecer o que o rio é capaz de fazer. Já vi esse rio transformar-se em autenticas cachoeiras. Já presenciei temporais, neste local, capazes de derrubar as casas mais bem construídas. Meu amigo, sugiro-lhe que você cave profundos alicerces. Cave até chegar a rocha.” Mesmo assim o insensato tê-lo-ia despedido enfadado, persistindo em fazer o que lhe parece melhor.

Conclusão: Os alicerces que parecem tão insignificantes e destituídos de importância, porquanto não estão à vista são a parte mais importante de uma edificação. Se os alicerces não tiverem bem construídos, tudo o mais em uma casa será mal construído. O alicerce é a parte mais importante do que qualquer outra parte da construção.

A casa que o insensato edificou sobre a areia, pode parecer perfeita boa e durável. Porém pouca serventia há em uma casa, por mais luxuosa e confortável que ela possa ser se, quando chegarem as tempestades e a enchente começar a bater contra ela, ela vier a ruir repentinamente. Todavia necessitamos de uma casa que seja capaz de suportar as provas impostas pelas tempestades e pelos tufões. Uma casa construida sobre a areia não pode oferecer tal resistência, e, como é claro não tem valor nenhum.

Nosso Senhor declarou que tudo quanto edificamos neste mundo haverá de ser submetido a testes. Ele retrata estes testes sob a forma de um pesado aguaceiro que cai, transformando-se em uma inundação acompanhada de ventos uivantes e destruidores. Jesus deixou claro que toda casa esta sujeita à provas. Pode ser a chuva do adultério, a inundação das drogas, os ventos das discórdias e da desconfiança. Quem sabe a inundação do desemprego ou o próprio diábo querendo arrastar nosso filhos.

O Sl 127.5 nos dizem que tem um dia que o inimigo vem e bate a nossa porta, mas não entra, porque os filhos não nos trazem vergonha. Os nossos filhos estão firmes em Deus.

Você quer construir uma casa sobre a rocha? Seja impulsionado por um desejo profundode  construir uma casa que seja durável. Tenha em mente o seguinte: “Não sei muito a respeito disso, e nem sou um especialista quanto a essas questões. Portanto, o bom senso dita que eu deveria consultar uma pessoa bem informada a esse respeito.

Quero dispor de bons planos e especificações, e quero receber orientação e instruções. Sei que os homens podem construir casas com grande rapidez, mas prefiro uma casa que seja duradoura. Muitas coisas poderão acontecer, que submeterão a um verdadeiro teste as minha idéias de construção de casas. É o que diz o apóstolo Paulo, quando comentou: “Porque ninguém pode lançar outro fundamento, além, do que já foi posto, o qual é Jesus Cristo” (1 Co 3.11).


Um comentário:

Natiely VCS disse...

Eu achei este sermão muito produtivo e importante para nossos dias atuais.
Percebo que muitos de nós cristãos temos vivido uma vida sem alicerce Espiriual...precisamos ter um relacionamento mais intimo com Jesus para que o alicerce da nossa fé seja fincado nele e não em nossa capacidade,condições,cultura,etc. Parabéns pela iniciativa do sermão.
Deus o abençoe!!!
Um abraço!