quarta-feira, 26 de setembro de 2007

Vivendo com Sabedoria – Salmo 90


Como o tempo está passando para você? Para muitas pessoas, a vida passa e elas não vêem. Você já percebeu que as pessoas dizem "tenho tantos anos..."e que o certo é "eu não tenho mais tantos anos"? Segundo o salmista a vida ganha sentido, quando vivida com sabedoria. Nesta oração, Moisés pede para que o Senhor o ensine a contar os seus dias para que alcance um coração sábio. O que ele aprende e nos ensina neste salmo? Para viver com sabedoria é necessário:
1. Ter uma visão lúcida de você mesmo em relação à eternidade. (vv. 2-5)
"Antes que os montes nascessem e se formassem a terra e o mundo, de eternidade a eternidade tu és Deus" (v.2). Moisés tem esta sábia percepção de que Deus é imortal, desde sempre, sem variação sem velhice. Deus é até mesmo independente do mundo que criara.
Davi no Sl 8.3 tem a mesma visão quando contempla a criação, céus e terra, sua grandiosidade, obra das mãos divinas. Ele fica extasiado, e ao mesmo tempo, humilhado como homem, criatura, considerando a fragilidade e limitação dos homens. Diante disto pergunta: "Que é o homem?". A primeira impressão que o poeta tem é a de que o homem não é nada na vastidão do universo, na complexidade de suas obras.
O v. 4 é uma comparação como a de Is 40.15 onde as nações são como um pingo que cai dum balde, e como um grão de pó na balança". Esse texto coloca o mundo no seu contexto, que é Deus e nosso tempo de vida no seu enorme pano de fundo que é a eternidade. Tal fato humilha o orgulho humano, mas dá ânimo no que diz respeito às intervenções de Deus e o tempo certo delas. Tu reduzes o homem ao pó, e dizes: tornai, filhos dos homens. V.3 Esta visão derruba toda a arrogância humana. A vida, neste mundo, ganha sentido quando a eternidade é uma realidade. Sabe-se que a vida neste mundo é transitória, isto é, passageira. O ser humano é peregrino, forasteiro. Ao ser humano não está assegurada a continuidade de sua vida terrena no amanhã: "Não te glories do dia de amanhã porque não sabes o que trará à luz" (Pv 27.1)
A Bíblia apresenta uma série de figuras de linguagem para demonstrar a realidade tão passageira da existência humana: No Salmo 90 está registrado que "tudo passa rapidamente, e nós voamos". No Sl 144.4 "O homem é como um sopro; os seus dias como a sombra que passa" Davi disse que: "... como a sombra são os nossos dias sobre a terra e não temos permanência." I Cr 29.15 E assim constantemente orava ao Senhor: "Dá-me a conhecer, Senhor, o meu fim, e qual a soma dos meus dias, para que eu reconheça a minha fragilidade. Deste aos meus dias o cumprimento de alguns palmos; à tua presença o prazo de minha vida é nada" Sl 39.4,5 A palavra "floresce" indica uma paisagem revestida de novo com o frescor da manhã, e assim, a cena humana na sua totalidade: sempre se renovando, mas sempre murchando. A vida é uma rua de mão única, e não estamos voltando.
2. Ter uma visão realista da condição humana na história.
A Palavra de Deus diz claramente sobre a condição humana na história encerrando todos sem exceção debaixo do pecado. Gl 3.22 "Todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus." Diante da santa justiça de Deus o homem é golpeado pela sua ira: "Pois somos consumidos pela tua ira, e pelo teu furor conturbados." Ef 2.3 descreve a mesma situação. Esta ira nos faz: Consumidos, isto é, literalmente acabados, gastos, não sobra nada. Conturbados se emprega para um exército que enfrenta derrota total.
O Salmo ainda nos diz que somos marcados pela culpa (v.8). A culpa promove um latejamento moral na alma humana "Diante de ti puseste as nossas iniqüidades, e sob a luz do teu rosto os nossos pecados." Quanto aos nossos pecados ocultos, decerto incluem aqueles que gostaríamos de esconder até de nós mesmos.
3. Ter uma iniludível visão da Graça de Deus.
Deus já repreendeu os homens com a exclamação: "Tornai" agora o homem sábio ora a Deus com este mesmo clamor: "Volta-te par nós"- por meio da misericórdia. (V. 13)
É preciso saber que viver com sabedoria é viver na graça (v. 13-15) "Sacia-nos de manhã com a tua benignidade, para que cantemos de júbilo e nos alegremos todos os nossos dias. Alegra-nos por tantos dias quantos nos tem afligido, por tantos anos quantos suportamos a adversidade." Graça manifesta abundantemente em Jesus Cristo. Tt 2.11 afirma que a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens. Embora "todos os nossos dias" estejam, quanto aos nossos mérito, "na tua ira" (9), dentro da aliança, todos os nossos dias podem ser alegres. Não somente a obra de Deus há de perdurar como também a bênção dele na obra das nossas mãos.
Graça que torna eterna nossas ações finitas. Seja sobre nós a graça do Senhor nosso Deus; confirma as obras de nossas mãos, sim confirma as obras de nossas mãos. Quando vivemos em Deus, a vida aqui é uma inexpressiva centelha de tempo entre duas eternidades. Aqui temos a possibilidade do labor que "não é em vão". 1 Co 15.58. A medida de uma vida, afinal de contas, não está no tempo de sua duração, e sim, no que ela vale. Até que ponto sua falta será sentida?
Há uma lenda antiga que conta de um mercador de Bagdá que certo dia, mandou seu servo ao mercado. Dentro de pouco tempo o servo voltou, pálido e trêmulo, e, grandemente agitado, disse ao seu senhor:
- Lá na praça do mercado fui empurrado por uma mulher na multidão, e quando me virei, vi que era a Morte que me empurrava. Ela olhou para mim e fez um gesto ameaçador. Senhor, por favor, empreste-me seu cavalo, pois terei que fugir para evitá-la. Cavalgarei até Samarra, e ali me esconderei, e a morte não me achará.
O mercador emprestou-lhe seu cavalo e o servo saiu galopando com grande pressa. Mais tarde, o mercador desceu à praça do mercado e viu a Morte em pé entre a multidão. foi para onde ela estava e perguntou:
- Por que assustou meu servo hoje de manhã? porque fez um gesto ameaçador?
- Aquilo não era um gesto ameaçador, respondeu a morte. Foi apenas um sobressalto de surpresa. Fiquei atônita ao vê-lo em Bagdá, pois tenho um encontro marcado com ele hoje a noite em Samarra.
Cada um de nós tem um encontro marcado em Samarra. A vida é passageira e as oportunidades também .Mas é o motivo de regozijo, e não de medo, para aqueles que já colocaram sua confiança nAquele que é o único que segura as chaves da vida.

2 comentários:

Mari disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mari disse...

Olá pastor Bertoni! Seu blog é muito rico, vou ter muito o que aprender por aqui! Admiro muito seu olhar interdisciplinar ao abordar os temas do cristianismo, realizando as pontes entre tantos outros aspectos da cultura e do conhecimento. Que Deus continue a te capacitar e abençoar a cada dia! Beijim da sua aluna da E.D.!